Facebook na onda do áudio

Alguns meses atrás, o aplicativo de conferências de áudio Clubhouse virou uma coqueluche entre os early adopters (os elitizados, que possuíam um iPhone e um convite, diga-se de passagem). As grandes mentes da tecnologia embarcaram nessa onda e foram semanas longas e intensas com milhares de pessoas grudadas em seus smartphones simplesmente para ouvir uma conversa entre duas ou mais pessoas. Simples e genial.

Contudo, a febre do Clubhouse esfriou, e hoje pouco se ouve falar do aplicativo. Ainda assim, os grandes players do mercado se movimentaram para abalroar o novato candidato: o Twitter lançou o Spaces e nesta semana o Facebook lançou duas ferramentas que seguem a esteira do sucesso das ondas de áudio.

O Live Audio Rooms, é de fato, a cópia o concorrente direto do Clubhouse. Salas de áudio, como o nome prenuncia, em que se pode ouvir a conversa de duas ou mais pessoas. Para falar que copiou diferente a lição de casa, ao menos neste primeiro momento, o Live Audio Rooms estará habilitado apenas para uma rede seleta de influenciadores (personalidades verificadas).

Cada sala pode ter até 50 locutores — mais que o Twitter Spaces, que permite somente 10 convidados — e não há limite para ouvintes. Usuários podem interagir na sala com curtidas ou enviar estrelas para apoiar os criadores, bem como acontece durante as tradicionais lives em vídeo na plataforma, além de haver um sistema de financiamento coletivo (algo como os superchats do YouTube) para arrecadação de fundos durante a conversa.

A outra ferramenta, também seleta para algumas personalidades, é o Soundbites, que vai soar como um TikTok, só que de áudios. Áudios curtos e rápidos na tela do seu celular. Não há muito o que dizer sobre isso, a não ser perguntar se isso é realmente necessário?

Telas do Soundbites, o TikTok de áudios do Facebook – Foto: Divulgação

Tanto o Live Audio Rooms quanto o Soundbites estarão disponíveis apenas nos Estados Unidos e via aplicativo do Facebook apenas no iOS. Junte a isso a impossibilidade de que um usuário comum possa criar uma sala de áudio na plataforma e, sim, o Facebook também copiou a elitização do Clubhouse.

E não nos esqueçamos que este mês ainda, o Facebook promete também integrar podcasts na sua rede social, com a possibilidade de os usuários cortarem e compartilharem os trechos que quiserem na rede. De fato, o rádio não morreu.

Rodrigo Freitas Escrito por:

seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *